terça-feira, 9 de agosto de 2011

Pendurado num Galho




José estava sentado firmemente no seu galho na árvore. Este era grosso, confiável e perfeito para servir de assento. Era tão forte que não tremia com as tempestades, nem se agitava quando os ventos sopravam. Aquele ramo era previsível e sólido e José não tinha intenção de deixá-lo.

Isso até que lhe ordenaram que subisse num outro ramo.

Sentado a salvo em seu ramo, ele olhou para aquele que Deus queria que subisse. Jamais vira outro tão fino! “Esse não é lugar para um homem ir!” disse consigo mesmo. “Não há lugar para sentar. Não há proteção das intempéries. E como seria possível dormir pendurado nesse galhinho vacilante?” Ele recuou um pouco, apoiou-se no tronco e pensou na situação.

O bom senso lhe dizia que não subisse no galho. “Concebido pelo Espírito Santo? Pense bem!”

A autodefesa lhe dizia para não fazer isso. “Quem vai acreditar em mim? O que nossas famílias vão pensar?”

A conveniência o aconselhava a não fazê-lo. “Bem quando eu esperava estabelecer-me e criar uma família.”

O orgulho lhe recomendava o mesmo. “Se ela pensa que vou acreditar numa história dessas…”

Mas Deus lhe dissera para fazer isso, sendo essa a sua preocupação.

A idéia o aborrecia porque estava feliz na situação presente. A vida perto do tronco era boa. O seu ramo era suficientemente grande para permitir que ficasse confortável.

Acho que alguns de vocês compreendem José. Sabem como ele se sente, não é? Já estiveram ali. Você sorri porque já foi também chamado para arriscar-se e subir em outro galho. Conhece o desequilíbrio gerado quando tenta manter um pé na sua própria vontade e outro na Dele. Você também enfiou as unhas na casca da árvore para segurar-se melhor. Você conhece muito bem as borboletas que voam na boca de seu estômago quando percebe que há mudanças no ar.

Talvez mudanças estejam justamente no ar agora. Talvez você esteja em meio a uma decisão. É difícil, não é mesmo? Você gosta do seu ramo. Acostumou-se com ele e ele com você. Da mesma forma que José, você aprendeu a sentar. Você ouve então o chamado. “Preciso que suba em outro ramo e … tome uma posição.
mude.
perdoe.
evangelize.
doe.

Qualquer que seja a natureza do chamado, as conseqüências são as mesmas: guerra civil. Embora seu coração possa dizer sim, seus pés dizem não. As desculpas surgem como folhas douradas quando sopra um vento de outono. Mas eventualmente você acaba contemplando uma árvore nua e uma escolha difícil: A vontade Dele ou a sua?

José escolheu a Dele. Afinal de contas, era realmente a única opção. José sabia que a única coisa pior do que uma aventura no desconhecido era a idéia de negar seu Mestre. Resoluto então, ele agarrou o ramo menor. Com os lábios apertados e um olhar decidido, colocou uma mão na frente da outra até que ficou balançando no ar com apenas a sua fé em Deus como uma rede protetora.

Conforme o desenrolar dos acontecimentos, os temores de José foram justificados. A vida não se mostrou mais tão confortável quanto antes. O galho que agarrou era de fato bem fino: o Messias deveria nascer de Maria e ser criado em sua casa. Ele tomou banhos frios durante nove meses para que o nenê pudesse nascer de uma virgem. Ele teve de empurrar as ovelhas e limpar o chão sujo para que sua mulher tivesse um lugar para dar à luz. Ele se tornou um fugitivo da lei. Passou dois anos tentando aprender egípcio. Houve ocasiões em que esse ramo deve ter balançado furiosamente ao sabor do vento. Mas José apenas fechou os olhos e continuou firme.

Você pode estar, no entanto, certo de uma coisa. Ele jamais se arrependeu. A recompensa de sua coragem foi doce. Um só olhar para a face celestial daquela criança e ele teria feito tudo de novo num momento.

Max Lucado, em “MOLDADO POR DEUS”

Leia Também: Crescer nunca é fácil

4 comentários:

Cida Kuntze disse...

Oi Alicinha!
Que texto maravilhoso esse do Max Lucado.
Realmente, tem vezes que ficamos temerosos em seguir em frente, em sair da zona de conforto que estamos e obedecer a Deus, mas Ele sabe de todas as coisas e atender a Sua voz é o melhor que podemos fazer.
Beijinhos.

Carolina Tavares disse...

Muito lindo esse texto!
Amei!
Fique na Paz querida!
Bjs

Nanda disse...

Quem se abriga em Deus não necessita da palavra. Basta um suspiro dirigido a Deus, e Deus o ouvirá

Reflita nisto e tenha um ótimo dia.Deus te abençoe a cada instante de sua vida!

Bjus Fernanda

Lena disse...

Oi , Lucinha
Grande pérola do Max Lucado. Excelente texto, minha flor!Temos sempre a certeza que em nossas aflições estaremos sempre protegidos por Deus, pq temos FÉ em Sua palavra. Bjs com carinho e um ótimo sábado!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...